Apagar as luzes, tirar a tomada dos eletrodomésticos, encurtar o tempo do banho. Essas são algumas atitudes de quem quer diminuir os gastos com a conta de luz. E mesmo com atitudes diárias que realmente podem ajudar, parece que o consumidor tem a sensação de que a conta de luz só aumenta. E por que?

No dia a dia sabemos que a lista dos equipamentos que dependem diretamente da eletricidade é bem extensa. E por isso, na prática fica difícil achar opções que economizem, e assim auxiliem a diminuir o consumo da conta de luz. Parece que a cada mês o consumidor tem uma surpresa desagradável com o custo.

Mas essa não é uma sensação, e sim uma constatação. Você já chegou a verificar quantas taxas são inclusas em sua conta de luz? Continue lendo o texto para saber mais a respeito.

O que são, e quais são as taxas inclusas na conta de luz?

O consumidor infelizmente não paga apenas aquilo que consumiu durante o mês. Na conta de luz ele paga também os impostos e encargos. Abaixo selecionamos os mais comuns, que estão diretamente ligados ao serviço consumido. Mas, infelizmente não é só isso que aparece na conta de luz:

Cosip: é a contribuição para custeio da iluminação pública;

TUSD: é a tarifa de uso do sistema de distribuição. Nela estão os custos de operação e manutenção da rede, por exemplo;

TE: é a tarifa de energia. A distribuidora compra a energia que acha suficiente para os clientes e repassa os custos integralmente para o consumidor;

Essas são as taxas tradicionais. Mas, por exemplo em São Paulo, onde a responsável é a Eletropaulo, segundo a empresa, de cada R$ 100 pagos pelo cliente, só R$ 15,40 são destinados às atividades da distribuidora, a chamada Tarifa de Uso de Distribuição (TUSD). E o restante do valor pago, vai pra onde?

Você sabia que indiretamente até IPTU, IPVA, PIS e carvão são cobrados? Não é mentira. Foi o que averiguou uma reportagem realizada pelo Uol. Na conta de luz há 26 taxas que o consumidor paga. É muita coisa, você não acha? 

2019: conta de luz vai ficar mais cara

E se você acha salgada a conta de luz, prepara-se: em 2019 a conta luz ficará mais cara ainda porque terá um aumento de 5%. E essa valor será repassado para a conta do consumidor. Há dois motivos em específicos que vão elevar o preço, mesmo que você economize.

Primeiro, é a aprovação da Câmara da isenção do pagamento da conta de luz para famílias de baixa renda. A aprovação do projeto pelos deputados ocorreu em julho. Outro motivo, é os custos das subsidiárias do norte com furto de energia, os famosos ‘gato’.

No caso das famílias de baixa renda, essas não precisam pagar a conta de luz, ou seja, aquelas que tenham renda mensal menor ou igual a meio salário mínimo, e que consumirem até 70 kwh/mês. Claro que para famílias carentes a conta de luz é algo que impacta no orçamento todo o mês, mas o restante dos consumidores também sente este aumento no bolso, somado a inflação. Isso porque consome pouco, e paga muito.

E quem paga a conta é sempre o consumidor.  Além disso, os consumidores terão que cobrir um custo de R$ 1,937 bilhão, constatado no orçamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Na prática você pode entender da seguinte forma:

“A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai mandar para o bolso do consumidor a conta de R$ 1,937 bilhão para cobrir o déficit do orçamento da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) de 2018”. Isso mesmo.

Expectativa: conta de luz vai aumentar cada vez mais

E as expectativas a longo prazo não são nada animadoras. Só para ter uma ideia, somente em 2018 o aumento foi quatro vezes superior à inflação. Quando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) entre janeiro e julho ficou em 2,94%, a energia elétrica para as famílias brasileiras subiu 13,79%.

A ANEEL vem concedendo reajustes em todos os contratos que estão sendo renovados, ou seja, todo anos inúmeros Estados estão repassando ao consumidor o aumento da tarifa. É lógico que a tarifa tem subido de forma preocupante, e está chegando ao limite de pagamento do consumidor, e muitos se vem angustiados e preocupados com essa realidade.

Busque alternativas: sistema de energia solar

Se você está cansado em arcar com custos de energia elétrica que não deveria, uma opção é certamente investir em sistema de energia solar. Ou seja, sim há uma luz no fim do túnel.

Você não precisa depender – total ou parcialmente – da distribuidora de energia da sua região. E para instalar o sistema fotovoltaico é necessário ter um projeto analisado pela distribuidora de energia, além de contratar um profissional habilitado para desenvolver o projeto elétrico dentro das normas estabelecida por ela.

Vale ressaltar que substituir a energia elétrica convencional pela energia solar, geralmente representa uma redução na conta que varia de 50% a 95%. Isso não quer dizer que nos primeiros meses o investimento terá logo o seu retorno.

Normalmente o retorno do investimento, ocorre em média sete anos depois, quando o valor aplicado em energia solar acaba sendo pago automaticamente. Mas nos primeiros meses é possível ver uma redução significativa e animadora ao consumidor.

Dificilmente você vai ouvir alguém falar que se arrependeu de instalar um sistema de energia solar. Se você tem dúvidas de como fazer a escolha por uma empresa de energia solar, leia este texto aqui que traz informações relevantes. 

Não fique se preocupando com o aumento da conta de luz. Invista no sistema de energia solar. Além de diminuir os custos, vai valorizar o seu imóvel. 

Então, não perca mais tempo, clique em Solicitar Orçamento, envie seus dados, que no mais breve tempo, você irá receber um telefonema da equipe de atendimento Suntech Energia Solar. 

Para saber mais sobre projetos de energias sustentáveis e possibilidades de linhas de financiamento não deixe de escreverGostou e quer receber em primeira mão mais conteúdos como esse? Cadastre-se em nossa newsletter!

 

Referências

Economia UOL

BNC Amazonas

Gazeta Online

Folha UOL

Estadão