Pioneiro na geração renovável no País, o Ceará tem conseguido manter a liderança, no Nordeste, na geração distribuída de energia – aquela onde os usuários produzem a própria energia e cuja fonte prioritária é a fotovoltaica. Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontam um total de 682 projetos conectados à rede, o que representa uma capacidade instalada da de 21,153 mil kilowatts (kW) no Estado.

A Aneel informa ainda que um 782 unidades consumidoras recebem créditos pela geração de energia no Ceará e, no que depender de um trabalho conjunto de poder público e iniciativa privada, a tendência é de esse mercado fortalecer nos próximos anos. “Essa liderança que o Ceará assumiu é graças a esse trabalho. Só estamos no patamar que estamos hoje graças ao trabalho que estamos fazendo”, afirma o coordenador do núcleo de energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Joaquim Rolim.

Ele fala, principalmente, do Atlas da Energia do Ceará, pelo qual tanto grandes empreendimentos quanto micro e minigeradores poderão simular a geração de energia em áreas pré-definidas do Estado. O estudo para conclusão do Atlas deve durar cerca de 20 meses e foi anunciado pelo governador Camilo Santana na semana passada, quando ele informou também da compilação de informações sobre fontes eólica e solar.

“Trabalhamos exatamente para não perder essa liderança, sabendo que os outros estados também estão trabalhando para progredir”, reforça Rolim, contando que a tarefa envolve a Agência de Desenvolvimento do Ceará (Adece), a Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE), o Sebrae e a Fiec.

Destraves

Além do Atlas, o coordenador do núcleo de energia contou ainda das reuniões feitas com agentes considerados estratégicos para o desenvolvimento do mercado da geração distribuída no Ceará. O principal deles é o Banco do Nordeste do Brasil (BNB). O objetivo é desenvolver mais a linha de financiamento do FNE Sol, operada pelo BNB, e a principal para os empresários que atuam nesse segmento.

O financiamento, com taxas e tempo de pagamento capazes de se adequar às finanças das empresas, é o principal foco dos encontros com o Banco. A próxima reunião para discutir destraves para os projetos de mini e microgeração será, inclusive, no próximo dia 13 de dezembro, segundo Rolim. Outra agenda constante, conforme o coordenador, é o do trabalho junto à Enel Distribuição Ceará. A última foi na semana passada e tratou de sobre as possibilidades de conexão de novas unidades consumidoras nos municípios cearenses.

Fonte: Diário do Nordeste