A energia solar está em alta. Ela é pauta de muitos consumidores que estão cansados de pagar altas taxas na conta de luz. E por mais que economizem, não estão vendo o resultado em suas contas.

Só que para muitos o investimento em um sistema de energia solar é considerado alto, já que a média de um sistema instalado na residência varia de R$ 15 a R$ 25 mil reais. Mas este valor pode ultrapassar dependendo do tamanho da casa.

Mas a solução são os financiamentos voltados para este projeto. Continue acompanhando o texto para saber como recorrer a este financiamento, se for do seu interesse.

Financiamento para energia solar

De acordo com a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil possui 33 mil sistemas solares fotovoltaicos conectados à rede, e destes 76,9% do total dos sistemas de energia solar são em residências.

As perspectivas para uma diminuição dos custos de energia elétrica não estão previstos para os próximos anos, ao contrário, as possibilidades são de que ela aumente.

Então, se você acha salgada a conta de luz, prepara-se: em 2019 a conta luz ficará mais cara ainda porque terá um aumento de 5%. E esse valor será repassado para a conta do consumidor, como já divulgamos em outra notícia.

E assim, como você faz uma pesquisa antes de comprar um novo aparelho para dentro de casa, o mesmo ocorre quando decide investir em um sistema de energia solar.

Por isso, você precisa decidir qual o sistema de energia solar é ideal para sua casa ou empresa. Ou seja, a empresa que vai escolher. Leia este artigo que vai ajudar você.

E não somente isso, se não tem o dinheiro para pagar no momento, qual financiamento de energia solar vai optar. Afinal, são vários bancos e financeiras que oferecem linhas de crédito voltadas especialmente para o sistema de energia solar.

Entre os mais conhecidos estão: Banco do Nordeste, Banco da Amazônia, Bradesco, Santander, Votorantim, Banco do Nordeste, Banco do Amazonas e Caixa Econômica, entre outros.

Financiamento em energia solar: um investimento

Ao optar por um financiamento, fique atento as taxas de juros que são cobradas. Por isso, faça uma pesquisa junto ao banco que mais lhe interessa. Normalmente os bancos trabalham com essas linhas de créditos:

  1. As taxas de juros variam de 3,5 a 7,5%.
  2. Os termos são tipicamente 12 meses a 120 meses.
  3. Os juros podem ser dedutíveis.

Apresentamos abaixo o resumo de alguns bancos e como funciona o pagamento, taxas e período Se precisa, basta clicar no nome do banco para acessar a página de cada um deles.

Banco do Nordeste: os juros variam de 1,14% ao ano + IPCA até 3,27% ao ano + IPCA. Prazo de pagamento é de 8 anos.

Banco do Brasil: trabalha com linhas de crédito que chegam a R$ 500 mil.

Caixa Econômica: Com uma taxa de juros em torno de 1,95% ao mês, o projeto pode ser parcelado em até 240 vezes.

BV: o crédito concedido varia de R$ 5 mil a R$ 500 mil. As taxas de juros cobradas variam de 1,48% a 1,78% ao mês, e os prazos vão de 12 a 60 meses.

Santander: A taxa de 0,99% ao mês é válida para parcelamentos em até 36 vezes. Para parcelamento maior a taxa é de 1,08% ao mês.

BNDES: os recursos para financiamento se esgotaram, assim que foram liberados. Mas o banco informou que mais R$ 208 milhões do Fundo Clima para pessoas físicas deve ser liberado em breve. Este valor está sendo negociado.

Bradesco: os juros ficam entre 1,8% e 1,86% ao mês, conforme o prazo, que pode ser de até 60 meses.

Bando da Amazônia: os juros variam de 1,14% ao ano + IPCA até 3,27% ao ano + IPCA, a depender da renda bruta do contratante.

Pronaf: taxa anual de juros que varia 2,5% a 5,5% anuais, o agricultor só começa a pagar após 36 meses da aquisição do crédito.

Sicredi: O prazo de pagamento é de até 60 meses. As taxas de juros variam entre 1% e 3% ao mês. A simulação é feita através do simulador da BV financeira, um dos filiados ao Sicredi.

Brasil: potencial para energia solar

Fala-se em investimento, justamente porque o consumidor tem o retorno desse valor que ele paga pelo sistema. A média é de 3 a 6 anos, o que possibilita uma economia na conta de luz que pode chegar em até 95% com a produção de energia solar residencial.

Há algumas alternativas quando se fala em ter um sistema de energia solar em casa, e uma delas é realizar o financiamento.

Em países como Estados Unidos a energia solar nas residências é muito comum. No Brasil ela vem ganhando destaque nos últimos anos, principalmente quando se fala em redução da conta de luz, aliada a preocupação com a sustentabilidade.

Quando se fala em energia solar, o Brasil é um enorme potencial, mas que ainda explora muito pouco esse recurso. E é aqui que justamente as condições geográficas do País favorecem a opção pela energia elétrica obtida através do sol, já que ela é gerada pela luz do sol.

Assim, ela incide diretamente ou por meio de reflexo em painéis de materiais semicondutores (silício). E mesmo com a procura nos últimos anos, o Brasil ainda está atrás de países como Alemanha e Estados Unidos.

Em entrevista publicada para o portal EBC, em 2017, o diretor da Aneel, André Pepitone já afirmou o seguinte:

“O pior sol do Brasil, que está lá no Paraná e tem uma irradiação de 1500KWh m2/ano, é superior ao melhor sol da Alemanha.”

Ou seja, há muito o que ser explorado, e por isso, os bancos estão voltados a financiar projetos nessa área.  Porque sabem que podem se beneficiar da energia solar, tanto pessoas físicas quanto por empresas que desejam diminuir custos, e tornar a empresa mais visível com a questão verde, o que causa um impacto positivo.

É importante compreender que a energia solar promete ser a fonte alternativa para a energia elétrica. Mesmo que muitos consideram caros os os painéis ou placas utilizados na produção de energia, este precisam saber que eles são resistentes e praticamente não oferecem custos de manutenção.

Então, não perca mais tempo, clique em Solicitar Orçamento, envie seus dados, que no mais breve tempo, você irá receber um telefonema da equipe de atendimento Suntech Energia Solar.

Referência UOL Economia